Devemos pôr a mão na comida do cão?

Existe uma teoria com muitos anos, diz que para um cão nos respeitar devemos pôr a mão na comida enquanto ele come! 

E sim, na verdade o cão aprende! Vejamos:

– Aprende que somos uns idiotas e não o deixamos comer sossegado

– Que pode ter necessidade de proteger a comida. Afinal está ali alguém a fazer o que facilmente pode ser interpretado como uma tentativa de lhe tirar a comida

– Somos perigosos quando lhe damos comida, porque se tentar comunicar (rosnar) é repreendido

– Aprende a não confiar em nós por não termos  atitudes equilibradas, sobre atitudes equilibradas entenda-se: pôr a mão na comida enquanto o cão come, repreender o cão de cada vez que se tenta comunicar (sim, rosnar é comunicação, é um aviso: “estás a incomodar e eu não te quero morder, mas se não tiver alternativa vou morder)

Ninguém nasce ensinado mas todos nascem com bom senso, é uma questão de começar a usar!

Muitos “entendidos” em comportamento dizem que um cão tem de respeitar. Mas esquecem um pormenor, o pormenor mais importante, há dois ditados populares que traduzem bem:

“Não faças aos outros o que não gostas (ou não queres) que te façam” e “Respeita se queres ser respeitado”. Em conclusão, seria bom começarmos a perceber que o respeito deve ser mútuo.

Os “entendidos”, como se esquecem deste detalhe e são cheios de boa vontade, sugerem muitas vezes (demasiadas) que se deve mexer na comida do cão. Quer para ele aprender a respeitar-nos, quer para “ele se habituar a que se mexa na comida”. Quem é que no seu perfeito juízo, precisa de mexer na comida do cão e para quê?” Pode haver a necessidade de tirar alguma coisa que o cão esteja a comer e o ponha em perigo, mas isso é uma situação completamente diferente e existem técnicas para ensinar isso.

Uma vez visitei uma família, completamente destroçada, mas com vontade de corrigir tudo o que tinha sido aconselhado por um destes “especialistas”. Entre muita informação desactualizada e sem qualquer lógica, lá estava a técnica de pôr a mão na comida enquanto o cão come, mais grave é que foi sugerido que a criança da casa, com apenas 4 anos fizesse… A mãe, com pouca informação sobre cães mas a esforçar-se para que a relação cão-criança fosse a melhor, seguiu a sugestão. Claro que o resultado não foi o melhor, a criança acabou bastante mordida, ao ponto de ficar com o braço quase desfeito.

A quem é que este “entendido” apontou as culpas? Ao cão, que segundo ele era imprevisível e  mimado e ao casal, que segundo ele, o “entendido”, não sabia educar o cão… Felizmente a criança recuperou bem, o principal é que aparentemente não ficou com medo do cão. Pior ficaram os pais, por terem tentado fazer tudo bem e terem seguido o conselho que alguém, sem conhecimento nenhum sobre cães lhes deu e terem colocado o próprio filho em perigo. (Alguns podem estar a pensar: “Mas que tipo de gente faz isso a um filho?” Eu respondo: Quando é com os outros é sempre tudo simples e na teoria somos sempre os melhores e mais sensatos. Qualquer pessoa a tentar fazer bem já teve problemas).

Infelizmente esta é uma história real, muitas iguais acontecem, a maior parte delas acaba sempre da mesma forma: uma pessoa mordida, um cão que leva uma correcção (entendam como quiserem, mas normalmente começa com um berro e acaba com pancada) em alguns casos depois de algumas repetições o cão acaba no fundo do quintal ou abatido, etc. 

Conviver com um cão não é uma guerra. não temos de provar nada, durante muitos anos nos contaram essa história e quem a seguiu teve muitas vezes problemas e viveram com um cão sem confiança neles, com medo. Respeito e confiança conquistam-se respeitando e a ajudar, nunca a castigar ou a exigir e os cães vivem a tentar perceber o que queremos deles, então para quê complicar?

João Pedro

Educador Canino 

Mania dos Cães – Educação e Treino Canino