Parques caninos? Não obrigado!

Nesta altura é muito comum ouvir falar em parques caninos e praias para cães e no fundo tudo o que seja um local onde se possa juntar um número de cães para que possam conviver.

Contudo, e apesar de defender que os cães devem conviver, não sou adepto destes locais nem destes “ajuntamentos”.

E porquê?

 

Se pensarmos com calma na questão, e tentarmos ver as coisas do ponto de vista do cão, muito provavelmente não vamos “ver” nada muito saudável. Senão vejamos, na maioria das vezes que encontro um grupo de cães a “conviver” num jardim (seja considerado parque canino ou não) o que vejo?

-Brincadeiras descontroladas;
-Cães a procurar o seu espaço sem possibilidade de o encontrar;
-Pessoas a insistir na apresentação de cães quando estes não estão interessados em interagir, muitas delas chegando ao ponto de agarrar um dos cães para que o outro cão lhe cheire o rabo e depois dizem muito naturalmente “é assim que eles se conhecem!”. É assim que eles se conhecem não! Eles conhecem-se se quiserem;
-Pessoas a interferir nas brincadeiras e interações entre os cães;
-Demasiada tensão entre cães, muitas vezes provocada por falta de espaço, ou demasiados cães. O que muitas vezes acaba em lutas;
-Pessoas a repreender cães por estarem a tentar ser cães;
-Muitas vezes falta de higiene no espaço com as consequências que isso pode trazer;
-“Treinadores de bancada”, que é como quem diz “pessoas que fazem do cão uma ciência exata” (para não dizer objeto) e debitam uma série de teorias descabidas, desatualizadas e sem qualquer fundamento. E aqui entre nós: são as pessoas que têm o cão com mais problemas…

É claro que os cães devem conviver com os da sua própria espécie, mas nunca de forma tão antinatural como nestes espaços.

Um cão pode e deve ter um grupo de cães com quem convive, um grupo de cães que se conhecem, querem e sabem estar juntos e praticamente não precisam da intervenção de ninguém. Isso é convívio saudável. Assim como é saudável um passeio, dessa forma o cão conhece novos ambientes, novos estímulos ao contrário do que acontece quando está limitado a um espaço.

Na minha opinião, os parques caninos são para as pessoas e não para os cães.

Ali as pessoas encontram-se, falam do que querem, não têm necessidade de caminhar nem de se mexer muito e ficam convencidas que já passearam e socializaram o cão… Mas no fim de um dia de trabalho, numa folga ou fim de semana não é em nós que devemos pensar, é no nosso cão que esteve em casa, muitas vezes sozinho durante várias horas… Por causa disso: parques caninos, para mim, é um “não obrigado”.

 

Como é que poderíamos mudar isto tudo? Educando as pessoas para perceberem o que é um cão, perceberem as suas necessidades, como comunicam, etc. Contudo, isto só poderá acontecer quando as pessoas tiverem abertura para procurar saber mais e deixarem de viver agarradas a ideias desatualizadas ou que alguém inventou a pensar no bem estar humano e não no bem estar do cão.

 

João Pedro

 

Mania dos Cães – Educação e Treino Canino

Fique a par das novidades

Subscreva a newsletter

educação e treino canino

Desenvolvido por: