Pablo

Há cães que se deixam morrer e este poderia ter sido um deles… Encontrado com sarna, várias feridas no corpo, uma pragana num olho e muito medo, pânico de pessoas, considerado “irrecuperável” pelo seu estado e pelo comportamento agressivo apresentado que era apenas para se tentar defender por não saber que as pessoas que o recolheram só o queriam ajudar. Para ele tudo era uma ameaça, tudo era assustador…

A sarna tem cura, as feridas também, só o medo é que não, mas podemos dar uma oportunidade e  ajudar a superar esse medo, ajudar a ultrapassar situações que podem parecer assustadoras. Uma oportunidade era apenas o que o Pablo precisava, quando a teve agarrou-a com as poucas forças que lhe restavam, talvez tenha percebido que afinal alguém o queria ajudar. Seja como for soube mostrar o que é ultrapassar dificuldades, vencer medos, ter força e vontade de viver. O Pablo renasceu, nunca sentiu pena de si mesmo e eu também nunca senti pena dele. Para mim o Pablo foi como que invisível nas primeiras semanas, precisava antes de tudo de recuperar forças, de descansar do tal passado desconhecido, de ter tempo para o ultrapassar e foi o que fez, os cães têm esta capacidade, ultrapassam rapidamente más experiências e mais ainda quando se sentem seguros e lhes damos “a tal oportunidade”.

As semanas passaram e o Pablo foi crescendo em confiança, curiosidade e mostrou uma capacidade enorme de recuperação e a par disto uma grande curiosidade em conhecer tudo o que o rodeava, incluindo pessoas, que seriam provavelmente o que mais o assustava, mas o Pablo tinha uma enorme vontade de mostrar que não era o tal “irrecuperável” e encontrava sempre forma de ultrapassar o medo e resolver as situações que encontrava, teve o seu tempo e o seu espaço sempre que precisou, fez o que quis, como quis, quando quis e sempre que se sentiu à vontade para o fazer. Tivemos muitas “conversas em silêncio” e crescemos, crescemos muito os dois juntos e embora haja ainda muito caminho pela frente o Pablo já mostrou o que é resiliência, já mostrou que não há cães irrecuperáveis. 

Agora que renasceu vai continuar a crescer, vai ser um cão grande, não em tamanho mas em força, coração e vontade de vencer.

A única condição para receber o Pablo foi ser eu a dar-lhe um nome, ficou Pablo Picasso e porquê? Porque está a fazer de mim uma obra de arte, infelizmente nunca serei uma obra de arte perfeita, não porque o Pablo tenha falhado mas pela minha condição de humano…Com o Pablo aprendi muito, não só de cães mas também sobre o mundo, sobre pessoas e sobre recuperar e superar. Obrigado Pablo <3

João Pedro

Educador Canino Mania dos Cães

Agradecimentos:

– Patrícia Ramalho da Associação Projecto Animais de Barcelos pela confiança e por ter posto o Pablo no meu caminho.

– Daniela Moreira da Animavet Clínica Veterinária pelo acompanhamento e apoio na recuperação do Pablo.