Cães traídos

Conheci-te há uns anos, o nosso encontro foi breve. Trazias contigo a história de um inicio de vida complicado, mas isso já tinha ficado para trás, como todos os cães soubeste dar a volta quando te deram oportunidade. Tinhas na altura a alegria de quem tem uma vida pela frente, muito para fazer e quer aproveitar todos os minutos. Estavas no começo de uma nova vida, estavas feliz.

Lá foste para a tua nova casa com a família que escolheste ou te escolheu e nunca mais ouvi falar de ti…até há uns dias, porque ao que parece “de repente” (como o raio dos humanos gostam de dizer) mordeste alguém, uma pessoa que nem era de casa! Os humanos com quem estavas foram pedir ajuda…mas será que foi mesmo pedir ajuda? Ou terá sido uma primeira tentativa de te despacharem? Ao que soube disseram que a senhora está grávida e não querem um cão em casa que já mordeu porque pode morder o bebé…a história de sempre… A pessoa (que conheces bem) a quem os teus humanos recorreram, perguntou-me se podíamos fazer alguma coisa para ajudar os teus humanos a perceber o que se passou e o que poderiam fazer para não haver mais nenhum acidente. Eu disse que sim, que íamos ajuda-los, guardei para mim que era a ti que estaríamos a ajudar porque qualquer coisa me disse que aqueles humanos já tinham desistido de ti. O que é que eu precisava de saber? Pouca coisa… Como foi a tal mordida? Pelos vistos foi superficial, nada de hospital sequer… Em que zona foi a mordida? No rosto da pessoa… Isso já é suspeito, um cão só morde o rosto de alguém se esse alguém tiver o rosto perto. Já sabes como é, os humanos ainda não sabem que isso pode ser visto por um cão como uma situação de perigo. Tenho a certeza que disseste várias vezes que não estavas confortável, vocês são educados e dizem sempre mas já sabes como é, os humanos ainda não sabem como vocês falam, estão mais preocupados em saber coisas como por exemplo se dormir com um cão faz bem e lhes prolonga a vida durante mais uns anos… E o azar aconteceu, não aconteceu por acaso, acredito que além de teres visto a situação como perigosa tenha sido a explosão de uma vida de stress e pouco descanso, porque tanto quanto percebi convivias muito com humanos e vocês cães nem sempre se lembram que precisam de se afastar para descansar ou então não têm possibilidade de o fazer. Não sei qual seria o teu caso, mas aposto no segundo porque se convivias bastante com humanos irias chegar ao ponto em que tu mesma te afastavas para descansar… mas o azar aconteceu e os teus humanos ficaram com medo de ti por uma situação causada por eles! O pânico instalou-se e há necessidade de resolver a situação! Depois de falarem com a pessoa que bem conheces parecia que tudo estava calmo, acho que não iam tomar nenhuma decisão sem eu te ver e falar com eles.

Entretanto esperei notícias e nada…quando as notícias chegaram foi para saber que tinhas sido assassinada!… Parece que mordeste um cão e depois outra pessoa! Levaram-te a um veterinário que pela atitude não sabe uma porra de comportamento de cães nem tem um mínimo de respeito pelos cães e o estupor matou-te, matou-te com o consentimento daqueles em quem confiavas mas que se recusaram a ser ajudados para te poderem ajudar. Acho que escolheram ir ter com quem lhes iria dizer o que queriam ouvir e assim resolviam a questão…

Os humanos com quem estavas e em quem confiavas, as únicas pessoas que tinhas no mundo traíram-te, não tinhas mais ninguém e eles por egoísmo recusaram perceber-te e perceber o teu comportamento, preferiram arrumar a situação da forma mais simples para eles.

Já sabemos como é, não podes dizer nada, não falas a nossa língua e nunca te pudeste defender, se pudesses falar muito dirias e conseguias provar a tua inocência. Foste mais um para o número dos cães que são assassinados todos os dias por ignorância daqueles com quem vivem e de “profissionais” que não estão para se incomodar a aprender mais sobre vocês, aquele tipo de profissional que apenas está ali, o cliente entra pela porta do consultório, diz o que se passa, as vontades são feitas, o cliente paga e vai embora, nada de perguntas nem perdas de tempo. Quem se fode é sempre o cão, ou gato, ou o animal que aparecer…

Aos humanos que te traíram não desejo mal, como aliás sei que também não desejas, és demasiado pura, vocês cães são demasiado puros para desejarem mal a quem vos faz mal. Desejo que tenham uma vida longa, que vivam muitos anos para poderem conviver com a merda que são e que acabem os seus dias abandonados num daqueles lares ilegais onde os idosos passam fome e são agredidos, talvez assim conheçam no fim da vida a sensação de abandono e desespero que tu sentiste quando eles te traíram e te abandonaram.

Nos anos que viveste acredito que tenhas sido feliz, feliz à tua maneira e na realidade que era a tua, porque vocês cães não precisam de muito para serem felizes, só é pena serem tantas vezes atraiçoados por aqueles em quem tanto confiam.

Infelizmente esta história tem um nome mas podia ter muitos nomes, esta é a história de muitos cães e cadelas que todos os dias são traídos pelas pessoas com quem vivem.

 

João Pedro – Educador Canino

Mania dos Cães – Educação e Treino Canino

Cães de Guarda

De há uns meses a esta data tenho recebido vários pedidos para treino de cães de guarda mas não faço este tipo de treino e explico isso e o porquê a cada pessoa que me contacta. Não entrando em questões legais de treino de cães de guarda e sua utilização foco-me apenas na questão do dito cão de guarda ou da utilização de um cão para fins de defesa ou guarda por um cidadão comum.

Existe a ideia que um cão treinado para guarda e defesa ataca quando recebe ordem e larga quando recebe ordem ou então ataca no caso de alguém ameaçar ou agredir o seu proprietário, não come comida oferecida por estranhos e se um estranho entrar na propriedade ao seu cuidado é imediatamente atacado, entre outras ideias…Nada mais errado!

As pessoas que me contactam procuram um cão para guardar a casa, ou seja, um cão que seja um animal de família mas que ataque alguém que entre na propriedade ou ataque se tiver ordem para o fazer ou ainda se a sua família for ameaçada. Normalmente já viram vários vídeos ou até demonstrações de cães a fazer ataques a senhores com um fato de protecção e a largar quando lhes é ordenado, então nasce uma ideia muito fantástica de que o cão faz aquilo porque aprendeu e ficou programado para o fazer durante toda a vida, que é só levar o cão para casa e esperar até ao dia em que possa ser necessário colocar aquele cenário em prática… E esta ideia errada aparece porque existe um grupo de pessoas sem escrúpulos, sem ética e sem respeito pelos cães que fazem com que isso aconteça mesmo sendo uma grande mentira! Um cão é um ser vivo com cérebro próprio e vontade própria, aprende e não esquece mas a forma como é ensinado pode trazer-lhe uma série de problemas e infelizmente já vi cães que supostamente foram treinados para guarda e em vez disso foram carregados de todo o tipo de problemas, um desses cães veio ter às minhas mãos depois de ter ficado um mês a (supostamente) ser treinado por um sujeito que a única coisa que sabe é dar pancada em cães, esse dito cão, depois desse mês ter regressado a casa passava horas voltado para uma parede branca tal era o grau de transtorno em que se encontrava, tudo provocado pelo dito treino para guarda…. Este é só um dos danos psicológicos que estes cães podem sofrer e não venham os “entendidos” dizer que se for treinado como deve ser não vai ter problemas porque isso não é verdade e posso relatar vários casos para o comprovar.

A visão do cão de guarda é pois uma fantasia que normalmente acaba mal para o cão como não poderia deixar de ser. Qualquer cão pode ser cão de guarda, basta que saiba ladrar quando sente que há alguma coisa fora do que considera normal e que o assusta.

Os outros cães, aqueles que são treinados para guarda passam por um processo de treino que não vou descrever por razões óbvias, mas que leva a que mordam e depois para parar de morder sejam castigados (os “entendidos” chamam corrigidos). Todo esse processo causa um enorme stress ao cão porque resumidamente é levado a fazer algo e depois é castigado por o fazer. A partir daí esse trabalho tem que ser feito toda a vida do cão, o que não vai acontecer se o cão for treinado e depois enviado para casa de uma família que tem a sua vida e não tem tempo nem possibilidade de ir fazer o treino numa base quase diária. A partir dai temos a chamada bomba relógio nas mãos, o que acontece a seguir é a frustração do cão por não poder morder, aqui podemos comparar com um atleta, se não treinar, se não se exercitar vai ficar muito mal disposto, frustrado, o mesmo acontece com o cão, essa frustração vai ser exteriorizada em forma de mordida a um membro da família no dia em que o cão estiver mais ansioso pelo aumento da frustração. O resultado já se sabe, o cão é mau, não devia morder e vai ser abatido ou vai para o fundo do quintal e lá fica o resto dos seus dias.

Depois de ver sair uma lei que criminaliza os maus tratos e outra que diz que os animais deixam de ser coisas e ver essas leis bem recebidas e celebradas por tanta gente é um bocado estranho perceber que poucos são os que na verdade deixaram de olhar para os animais como coisas e que os continuam a usar como tal, desde publicidade em que cães são entregues numa farmácia como cura para uma série de males a situações em que se pega num cão para servir o ser humano e não se olha uma única vez para o seu bem estar, é “estás aqui fazes porque quero que faças” e o cão faz porque não tem alternativa ou porque é a sua natureza e muitas vezes é explorada ao extremo. Sendo o cão considerado o melhor amigo do Homem é triste ver como o Homem trata o seu melhor amigo…

Não sou contra a utilização de cães para beneficio humano mas tudo tem uma medida, temos que saber qual é essa medida e compreender se o cão se sente bem a desempenhar esse trabalho, se na verdade gosta e o quer fazer e além disso é necessário providenciar-lhe condições para que tenha uma vida de qualidade, que não inclui apenas comida e cama mas formação para nós porque nunca sabemos tudo.

Como já tenho dito, não vale a pena criar leis se antes ou ao mesmo tempo não se trabalha a educação das pessoas, até porque as leis valem o que valem e se não forem fiscalizadas e aplicadas só servem como meio de promoção de partidos e políticos.

Depois disto tudo fica a pergunta:

Quantas (do tão grande número) de pessoas que querem um cão de guarda teriam a frieza necessária ou capacidade para conseguir parar um cão depois de ele começar a morder alguém?

 

João Pedro

Educador Canino – Mania dos Cães

As urgências e os “de repentes” na educação e treino de cães

Muitas vezes sou contactado por pessoas que utilizam frases como “tenho um problema urgente para resolver” ou então “foi de repente, aconteceu de um dia para o outro” ou “aconteceu do nada”…

Em comportamento não existem situações que surgem do nada!

Trocando por miúdos situações que surgem “do nada” ou “de repente” em cães…

Quando, por exemplo, dois cães que vivem juntos se começam a atacar isso é fruto de várias situações que se acumularam ao longo do tempo, sejam dias, meses ou até anos. O principal problema tem a ver com o facto de nós humanos nunca termos percebido que estava alguma coisa a correr mal naquele convívio e, por isso, usamos a expressão “de repente”, “do nada” ou “de um dia para o outro”. No entanto, se olharmos para a situação do ponto de vista dos cães, vamos perceber que o que aconteceu foi o descambar de um problema que vinha a piorar com o tempo.

Nas chamadas “urgências” a questão é outra, normalmente o que acontece é que um determinado problema de comportamento, seja de destruição, de mau relacionamento entre dois animais, morder pessoas ou rosnar se tornou complicado para o humano e daí ser “urgente” resolver o problema. Aqui consigo perceber o ser “urgente”, mas temos que ser realistas e perceber que a realidade é outra, sem dúvida há interesse e vontade em resolver a questão, no entanto estas questões “urgentes” são de resolução mais demorada e difícil na proporção da urgência, ou seja quanto mais “urgente”, mais difícil será e tudo porque foi uma situação que já se repetiu muitas vezes.

Muitas vezes nós humanos erramos por excessos ou carências e nos cães todos os excessos e carências trazem problemas mais dia menos dia. É importante encontrar um meio termo, um equilíbrio, e esse meio termo ou equilíbrio é diferente em cada cão, não há fórmulas ou regras que se apliquem a todos. Trouxemos os cães para o nosso mundo e por isso é nossa obrigação conhecê-los e compreendê-los para evitar problemas.

Muitas vezes dizemos que temos um problema com o cão, mas a realidade é que esse cão é que tem um problema, se lhe resolvermos o problema o nosso deixará de existir. Infelizmente hoje em dia aparece muita gente a resolver problemas aos humanos que acham que têm um problema com o cão e poucos a resolver problemas aos cães que os têm e por vezes bem sérios…

Para mim não existem “urgências” nem “de repentes”, existe a obrigação de sabermos mais sobre cães, de nos dedicarmos a eles e acima de tudo de lhes mostrarmos como se vive entre os humanos, porque afinal de contas somos nós humanos que vamos buscar os cães para nossa casa.

Como disse Jaime Vidal Santi: “Nos empeñamos que los perros sepan mucho de humanos…bastaria con que los humanos supieran un poco mas de perros…”

“Empenhamo-nos que os cães saibam muito sobre os humanos…bastaria que os humanos soubessem um pouco mais sobre os cães…”

João Pedro

Educador Canino – Mania dos Cães