Empatia

Se um cão rosna, ladra ou morde é chamado de “mau”, “perigoso”, “agressivo”, “dominante”, etc…
Se um cavalo corre, salta ou dá coices é chamado de “bravo”, “mau”, etc…
Se um touro investe contra uma pessoa e faz feridos (ou não) chamam-lhe “bravo”, “perigoso”, “falso”, etc…
Se um ganso persegue e bica uma pessoa que entrou no espaço dele é “mau”, “agressivo”, etc…
Se uma cobra tenta morder uma pessoa é “má”, “perigosa”, etc…
E a lista poderia continuar com outros animais…
O que é que há de comum nisto tudo?
A agressão! Mas se pensarmos bem facilmente chegamos a uma conclusão, todos estes animais estão a agredir para se defender, para preservar a sua vida. No entanto o ser humano não compreende isso e sendo o ofendido põe rótulos negativos no outro ser vivo que apenas se está a defender daquilo que interpreta como ameaça ou a tentar sair de situações em que foi colocado pelo ser humano.
Depois de ver as coisas por este lado chego à conclusão que o ser humano não faz o mínimo esforço para interpretar os outros seres vivos e na maior parte dos casos em que interpreta é de forma errada e o “outro” é sempre o chamado mau da fita.
Em conclusão o que faz falta ao ser humana é a chamada “Empatia” que nada mais é do que a capacidade de se colocar no lugar do outro e compreender as suas emoções e sentimentos. Aqueles que o conseguem, desenvolvem relações saudáveis e honestas. Os que não conseguem são estúpidos toda a sua (triste) existência.

João Pedro
Educador Canino
Mania dos Cães