A farsa do treino positivo

A farsa do treino positivo

“El entrenamiento positivo no és premiar siempre, és no castigar nunca”, esta frase de Jaime Vidal Santi (educador canino) resume muito bem o que significa treinar em positivo. No entanto desde que a expressão treino em positivo se foi tornando popular ou banalizando (como preferirem) começaram a aparecer de todos os lados treinadores a dizer que treinam em positivo. Se entrarmos um pouco mais no significado de treino positivo e sem usar termos técnicos resumimos da seguinte forma: Treinar em positivo é recompensar o cão de cada vez que faz aquilo que lhe pedimos. E aí está onde tudo começa a descambar apesar de a explicação estar correcta. Assim a definição de treino positivo de Santi ser, para mim, excelente uma vez que consegue fazer as pessoas que não têm conhecimentos técnicos sobre treino pensar e consegue por assim dizer, desmascarar os falsos treinadores positivos já que estes falsos treinadores em positivo são os que recompensam sempre mas para fazerem o cão chegar a um comportamento são capazes de tudo e o mesmo se aplica a quando querem que o cão deixe de ter um determinado comportamento. Em resumo penduram cães pelo pescoço, dão pontapés que chamam de toques, usam latas com pedras, colocam nos cães coleiras de picos e de choque e depois de usar isto tudo chamam o cão de “lindo” ou dizem “muito bem” e fazem uma festinha na cabeça e oferecem o biscoitinho. Ora “lindo” uma porra e o biscoitinho que o comam eles! Além disto alguns chegam até a ter fotos e vídeos nas redes sociais onde podemos ver cães com coleiras estranguladoras ou de picos. O que conta para que se possa chamar treino positivo é precisamente a ausência de castigos que esses sujeitos (já não chamo treinadores) insistem em chamar de “correcções” ora mais uma vez, correcções uma porra! São simplesmente castigos! Numa correcção apresentamos alternativas e ajudamos a encontrar o caminho para o objectivo!

Depois de servirem este cocktail de castigos e falta de conhecimentos e capacidades desculpam essas suas falhas com uma série de etiquetas que colocam no cão, do tipo “ele é teimoso”, a questão é que não existem cães teimosos, existem cães sem motivação ou demasiado stressados para compreender ou aprender o que quer que seja. Usam também muito a desculpa esfarrapada “não há outra forma”, não há outra forma o caraças, esse sujeito é que não conhece outra forma nem está sequer para pensar em ampliar os conhecimentos sobre cães, o seu comportamento e as formas amigáveis de ensinar ou seja, não está para perder tempo a aprender a comunicar com os cães. E poderia continuar por aí além mas nem vale a pena perder tempo com isso porque alguém se vai ofender e dizer que eu sou o tipo que nunca diz não aos cães e que nunca lhes levanta a voz, o que é verdade e não tenho vergonha nenhuma, pelo contrário tenho muito orgulho nisso porque passei e passo muito tempo a aprender a comunicar-me e a entender os cães e tempo nenhum a gabar-me de ser superior a eles e a vomitar desculpas esfarrapadas e teorias absurdas.

Assim sendo e para simplificar as coisas e haver uma distinção de métodos que todos consigam perceber, até mesmo aqueles que não têm conhecimentos profundos de treino, deveria chamar-se ao verdadeiro treino em positivo “treino amável” que foi um nome que ouvi em Espanha há uns meses atrás e sem qualquer dúvida faz todo o sentido pois ninguém pode dizer que tem um método de treino amável e de seguida andar a recomendar um colar elétrico ou a pendurar um cão pelo pescoço porque isso de amável não tem nada!

João Pedro

Educador Canino – Mania dos Cães