Os cães das associações

Um tema que “mexe” com muita gente, o grande número de cães que vivem ou passam por associações ou canis. São cães que ali chegam e têm as mais variadas origens, desde entregues por aquelas pessoas com quem viviam porque “já são velhos”, “estão doentes”, “ladram”, “largam pelo”, “fazem asneiras”, e por outros motivos que resumidamente estão directamente ligados a serem cães que foram levados para uma casa e deixados sem qualquer ensino porque as pessoas que os levaram estavam convencidas que o cão é “uma coisa” que se põe ali e já sabe o que tem que fazer, o que pode fazer e quando… (Há humanos assim…).

Depois há aqueles que se perderam ou fugiram, os que foram abandonados, muitas vezes na porta da associação ou atirados lá para dentro por cima do portão (há humanos que fazem isso…) ou nasceram na rua ou no monte num buraco qualquer…

Nas associações ou canis encontramos cães de todos os tamanhos e idades e de todas as cores e tipos de pelo, a variedade é enorme! E todos têm uma coisa em comum: são cães! Ou seja, são uma espécie, não uma raça, tal como o animal humano, antes da raça todos os seres pertencem a uma espécie!

Muitos destes cães vivem na associação toda a sua vida, são aqueles que ninguém quer ou talvez aqueles que não querem ninguém. Outros por terem um determinado problema físico ou incapacidade (que para eles nem é problema nem incapacidade) ficam para segundo plano, depois há os que têm uma determinada cor e que por isso “não são bonitos” e há ainda os que não se parecem com raça nenhuma e então não servem para os humanos dizerem que é cruzado da raça tal ou até que é da raça tal… Isto porque há seres humanos que procuram cães de raça por uma questão de estatuto…nada contra, mas pelo menos se querem ter o estatuto que tenham as condições para ter esse estatuto…

Estão lá também aqueles cães que tiveram algum problema de comportamento e foram descartados porque resolver um problema de comportamento de um cão requer o uso do cérebro e dedicação e há muitos humanos que têm mas não sabem usar.

Não tenho nada contra os cães de raça nem contra as pessoas que preferem um cão de raça, acredito que quando se procura um cão de uma determinada raça é por saber qual o seu aspecto quando crescer e também por se acreditar que aquela raça vai ter determinadas características, no entanto mais do que a raça as experiências que o cão tem e a aprendizagem formam aquilo que o cão será, infelizmente a ideia “o cão da raça X vai ser assim e ter esta personalidade” ainda está demasiado enraizada e depois aparecem as desilusões porque não se ensinou nada ao cão e apenas se esperou o tempo passar até o cachorro se transformar naquele “produto de supermercado” que estávamos à espera…os cães são indivíduos e por isso únicos e nascem de uma cadela não de uma linha de montagem em série!

Ainda há quem acredite que um cão que está num canil ou associação tem todo o tipo de problemas e não se vão adaptar a uma vida em sociedade, mas isso não corresponde de todo à realidade, estes cães poderão ter tido problemas no passado, mas esses problemas foram precisamente os humanos, não são cães que nunca mais poderão viver numa casa ou relacionar-se com outros cães, animais e pessoas, tenham eles a sorte de encontrar ou a possibilidade de escolher o humano que os vai ajudar, porque eu acredito que são os cães que escolhem as pessoas quando têm oportunidade.

Os cães das associações não têm problemas, têm falta de oportunidades.

João Pedro

Mania dos Cães – Educação e Treino Canino